Conheça as principais medidas do governo Bolsonaro em combate ao coronavírus

Além de ser uma ameaça para as vidas de bilhões de pessoas no mundo inteiro, o coronavírus promete ainda, continuar sendo uma ameaça para a qualidade de vida, mesmo ao ser erradicado.

Para tentar converter os efeitos econômicos que a pandemia de coronavírus já começou a criar, o Governo Bolsonaro começou a instalar medidas que visam reverter a situação a longo prazo. Confira as informações a seguir e entenda:

O surto de coronavírus surgiu em dezembro de 2019 na China, e até então, o mundo não podia prever os efeitos catastróficos que ele traria. Já foram mais de 6.000 mortos registrados no mundo inteiro e como se não bastasse o crescimento desse número assustador, três meses depois do surgimento do vírus, os problemas já começaram a aparecer.

De acordo com dados, espera-se que mais de 25 milhões de brasileiros fiquem sem emprego. Se o país se preparava para si de uma crise financeira, voltamos a estaca zero. Pensando em reverter essa situação, o Governo brasileiro aposta em algumas soluções que podem diminuir os problemas econômicos causados pelo coronavírus.

Uma das principais apostas para esse ano é o saque FGTS, que foi liberado pelo Presidente Bolsonaro. O saque aniversário FGTS pode ser acessado pelos trabalhadores cerca de 60 dias após a data do seu aniversário.

Além desse saque, espera-se ainda novos saques do FGTS em 2020para que a economia possa render e para que os brasileiros possam ter um um apoio financeiro perante a crise mundial.

Os trabalhadores brasileiros podem aderir a modalidade no aplicativo do FGTS disponível no Apple Store e no Play Store. No app, é possível também simular o valor do saque e verificar a data prevista para liberação do valor.

Mas essas medidas já estavam previstas desde o ano passado para que a crise econômica do país fosse revertida. Além dessa medida já instalada, o Governo lançou também uma proposta de auxílio para milhões de brasileiros.

A mais nova ação representa um pacote de auxílio que visa beneficiar milhões de brasileiros que ficaram sem trabalhar durante a pandemia. A expectativa é que essa proposta represente um percentual interessante para o PIB, com um impacto de cerca de R$ 147,3 bilhões para o país.

Quem se classifica como baixa renda, funcionário autônomo entre outros, poderá estar recebendo um valor entre R$600 e R$1.200, dependendo da situação do núcleo familiar durante três meses. Mas vale lembrar que o Governo ainda discute a necessidade de estender as mensalidades.